Posts recentes

domingo, 6 de dezembro de 2009

Ovo cozido e O Império dos Sentidos

Eu estava comendo um prosaico ovo cozido (OK, cada um tem sua madeleine) quando me lembrei do Império dos Sentidos. O filme de Nagisa Oshima fez grande sucesso e causou muita polêmica quando de seu lançamento. Hoje ninguém fala mais dele, e só me recordei do filme agora por causa do ovo cozido, que nele é utilizado de forma nada prosaica.

Menos prosaico ainda foi o local onde assisti ao filme. Estava numa cidade do interior de São Paulo, que contava na época com dois cinemas (hoje não tem nenhum): um frequentado pela elite local. O outro, pelo povão, onde eram exibidas produções de classe Z, banguebangues baratos, filmes antigos de Mazzaropi (os novos, no classe A).  Pois não é que O Império dos Sentidos foi programado para o poeirão?

Comprei meu ingresso e comecei a apreciar os tipos que dividiriam o cinema comigo. Só homens, que chegavam com suas bicicletas. Gente simples, com chapéu de palha na cabeça, a maioria trabalhadores do campo - da roça, como eles se dizem.

Foi sem sombra de dúvidas a plateia mais divertida que O Império dos Sentidos teve ao redor do mundo.

O filme conta uma história de amor intenso entre uma ex-prostituta e o senhor da casa onde vai trabalhar como empregada. E põe intenso nisso. O cinema estava lotado. A plateia dava risinhos nervosos a cada nova cena de amor. Ainda mais porque Oshima quebrou a barreira entre o filme de arte e o pornô, colocando cenas pra lá de apimentadas na tela.

Até que veio a famosa cena do ovo cozido. O homem o introduz suavemente na vagina da mulher. Ela depois o devolve, "põe o ovo", e ele o come. Já imaginaram a reação da plateia? Até hoje me recordo de um deles à minha frente:

- Quié issu?!... O que ele vai fazer?... Nossa, num credito!...Ói, oi, e num é que vai infiá lá?... Ahn!... Dooona!!!... Guloooosa!

E ainda há quem não goste de ovo cozido...

6 comentários:

  1. Antonio, muito obrigado para indicar a manifestação do Mst..eu da Italia estou tentando de explicar um Brasil diferente do que a rede Globo e a Folha indicam....
    Valeu

    http://hopersomianonna.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Hoje isso seria visto como ginástica vaginal, os tempos mudaram, só mesmo na memória para se ter acesso a uma coisa dessa que você relatou e desta forma inteligente de narrar.

    ResponderExcluir
  3. Putz, eu assisti mas não com tal acompanhamento e imagino o que passou pela cabeça dos "caipiras" De fato deve ter sido muito engraçado

    ResponderExcluir
  4. Genial!
    Vi esse filme,no Marrocos em São Paulo,com uma amiga(que anos mais tarde,descobri que era lésbica e ela sempre foi a fim de mim e eu dela e nunca deu certo!).Amamos o filme.Não sei porque,mas,tantos homens saíram no decorrer do filme.Para mim,o Império do sentido foi um filme de arte...
    Da época,foi um dos melhores filmes que vi.
    O outro foi,na ditadura,Z de Costa Gravas,ali no Paiçandu;platéia totalmente desconhecida,ao final do filme, explodiu uma salva de palmas...Não sei pq a tv cabeada não passa esse filme.

    ResponderExcluir
  5. Mello, permita-me reproduzir este post, sensacional. Eu até adicionei uma imagem (não aquela)

    ResponderExcluir

Comentário que não tenha a ver com a postagem não será publicado